clique para ler a matéria
Mordomias: levantamento mostra gastos de mais de R$ 310 mil em um ano para bancar prefeito de Lucena
  • Data: 06/08/2020

Mordomias: levantamento mostra gastos de mais de R$ 310 mil em um ano para bancar prefeito de Lucena

A prefeitura de Lucena, no Litoral Norte paraibano, tem sido uma verdadeira mãe para bancar os gastos do prefeito Marcelo Monteiro. De acordo com dados disponibilizados pelo sistema Sagres, do Tribunal de Contas do Estado, em 2019 foram gastos de mais de R$ 310 mil para pagar o salário, diárias e veículos locados ao gabinete do gestor.

Como se não bastasse o salário de marajá, o prefeito tem lançado mão de outras regalias, que têm custado caro para os cofres do município.

Levando em consideração as despesas apenas com os salários, que é de R$ 16 mil por mês, o prefeito terá recebido, ao final de um ano, R$ 208 mil de proventos. O valor é dez vez maior do que a média salarial do município, que segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), gira em torno de R$ 1,6 mil.

Outro item que o prefeito não tem pena de gastar é com locação de carros para o seu gabinete, a começar do carro de luxo alugado para o próprio uso. Por mês são desembolsados quase R$ 6 mil para custear o veículo para o gestor.

O levantamento feito com os dados do TCE-PB também identificou outro veículo locado ao gabinete do prefeito, com custo de R$ 2,2 mil por mês.

Juntos os dois veículos, custam R$ 8,2 mil  à prefeitura. Isso sem levar em consideração o combustível adquirido.

As despesas com diárias também aparecem aos montes na prefeitura de Lucena. Em 2019, foram feitos 50 empenhos com despesas de deslocamentos do prefeito Marcelo Monteiro, o que resultou em um gasto de R$ 13,9 mil.

Enquanto a prefeitura banca o gestor com toda essa dinheirama, as ruas da cidade sofrem com a falta de infraestrutura, e deixam os moradores literalmente ilhados após as chuvas. Outro grave problema do município é o lixão, que inclusive, vai motivar o ingresso de uma ação penal movido pelo Ministério Público da Paraíba contra o prefeito.



 

Voltar