• Data: 14/09/2021

Governo cria Polo Moveleiro Metropolitano para gerar mais de 30 mil novos empregos

O Governo do Estado, por meio da Companhia de Desenvolvimento da Paraíba (Cinep), criou o Polo Moveleiro Metropolitano da Paraíba, que tem como finalidade concentrar fábricas locais de móveis e fortalecê-las utilizando três frentes de atuação: negócios, capacitação e pesquisa e inovação.

O projeto, quando implantado no município de Santa Rita, se tornará uma das maiores potências nacionais no segmento, gerando 13.285 empregos diretos e indiretos no período de construção e 17.705 novos postos de trabalho, quando as empresas estiverem em operação. Outro benefício para a população será a venda de produtos a preço de fábrica e outlets com venda direta à população. 

“Não se trata de mais um distrito industrial, mas sim de um novo conceito de efetiva implantação de um Polo, que, além da estruturação da cadeia produtiva moveleira como um todo, envolve o tripé que gerará a sua sustentabilidade enquanto atividade: negócios, capacitação de mão-de-obra e Pesquisa & Inovação, tudo em um mesmo lugar. A ideia é que tudo que o Nordeste demandar a respeito do segmento moveleiro, encontre neste Polo” – explica Rômulo Polari, diretor presidente da Cinep.

Polo Moveleiro Metropolitano da Paraíba – o projeto

O Polo Moveleiro Metropolitano da Paraíba contempla lotes para a implantação de indústrias do estado; centro de treinamento em nível operacional, técnico, superior e de pesquisa; centro de distribuição conjunto, o que gerará mais poder de compra para a cadeia; estacionamento amplo; tratamento de resíduos e o business center, local destinado a estudos e materiais humanos para a prospecção de novos negócios para o Polo.

Para a primeira etapa, a ideia é possibilitar a implantação de aproximadamente 60 empresas, além do Grupo K1, maior empresa do segmento moveleiro da América Latina, que será a loja âncora do Polo Moveleiro e ajudará a impulsionar o desenvolvimento das empresas locais e sistemistas do arranjo produtivo. Sua matriz está localizada no Rio Grande do Sul, com 200 mil metros quadrados de planta industrial e mais de 2.000 empregos diretos. Aqui na Paraíba, o grupo já iniciou seu projeto em uma unidade preliminar em Santa Rita, com 8.000 m², na qual estão sendo realizados treinamentos de mão-de-obra e a instalação de uma unidade de fabricação.

O setor moveleiro já emprega atualmente 1.850 profissionais, dos quais 70% se localizam na região metropolitana de João Pessoa (Santa Rita, Bayeux e Cabedelo). Por esta razão, Santa Rita foi o município escolhido, seguindo a organicidade natural do arranjo, que já é uma realidade e que precisa ser desenvolvido. Além dessa vocação natural, a escolha está alinhada com a perspectiva do Governo, da interiorização do desenvolvimento do estado. 

“É de extrema importância a implantação do Polo Moveleiro, com a vinda do grupo K1 como carro-chefe, porque traz dignidade para o nosso povo, dignidade pra quem passa a ter renda proveniente do seu suor, do seu próprio emprego. É isso que faz uma cidade se desenvolver e almejar um futuro melhor”, comenta Emerson Panta, prefeito de Santa Rita.

Pilares do Polo Moveleiro Metropolitano da Paraíba

Reconhecendo o papel estratégico que o setor moveleiro vem desempenhando para o Brasil e para o estado da Paraíba, a ideia do Polo Moveleiro é atuar por meio de três pilares: Negócios, Capacitação e Pesquisa e Inovação.

Pilar de Negócios: impulsionará os negócios por meio de sistema próprio de lojas, canais de vendas online, plano de marketing, rodadas de negócios, feiras regionais e capacitação de empresas para exportação de sua produção.

Pilar de Capacitação: criará programas que prevejam a alfabetização profissional, cursos de especialização, palestras e oficinas.

Pilar de Pesquisa e Inovação: criará projetos que compreendam a transferência de tecnologia de empresas maiores para empresas menores; realizará estudos, ensaios, análises e testes de produção; desenvolvimento e redesenho de produtos; informações tecnológicas; desenvolvimento de linha de produção; pilotos de produção de produtos para indústria; e sustentabilidade.

Para colocar em prática essas ações, o Governo do Estado está firmando parcerias com universidades, centros de inovação, instituições de fomento e capacitação e consultoria, além dos grupos e associações do segmento moveleiro.

Para o reitor da Universidade Federal da Paraíba, Valdney Gouveia, a UFPB tem expertise em diversas áreas e pode colaborar para o desenvolvimento econômico do estado. “Pensamos nas engenharias, em estruturas a atividades que envolvam energias renováveis, inteligência artificial. Há uma gama de profissionais e pesquisadores que seguramente poderão contribuir com o Polo Moveleiro e isso vai implicar certamente no desenvolvimento do estado da Paraíba, que é o que interessa a Universidade Federal da Paraíba, seu papel público e social em promover desenvolvimento, em promover a inserção da Universidade na sociedade e dar respostas às demandas que a sociedade, as empresas e as indústrias apresentam” – comenta Valdiney.

Impactos do Polo Moveleiro Metropolitano da Paraíba no cenário nacional

Segundo o Banco do Nordeste, o Brasil possui 46 polos moveleiros, com cerca de 17 mil empresas formais de pequeno e médio porte e 82% delas estão localizadas no Sul e Sudeste do país. Em 2020, o segmento faturou R$ 70 bilhões, dos quais 85% foram nessas duas regiões. Na Paraíba há 213 empresas ativas no segmento, com dois Arranjos Produtivos Locais de móveis (APLs) localizados em João Pessoa e Campina Grande.

De acordo com o relatório Brasil Móveis 2020 realizado pela IEMI – Inteligência de Mercado, os três principais polos do país, localizados em Bento Gonçalves (RS), Arapongas (PR) e Ubá (MG) são capazes de faturar anualmente até R$ 4,3 bilhões. Com a implantação da primeira fase do Polo Moveleiro Metropolitano, estima-se um incremento de 32,1% na participação nacional dos móveis fabricados na Paraíba, tornando o estado uma das principais potências do Brasil no segmento.

“É mais do que uma simples implantação de um novo Polo. Trata-se de um grande processo de migração, por necessidade de expansão e atendimento do mercado do norte e nordeste, do Polo Moveleiro Nacional, que hoje está no sul do país e que necessita de uma nova base aqui no Nordeste. A Paraíba conseguiu convencer que é mais competitiva para tanto. É apenas um primeiro passo, cuja meta é que a Paraíba seja um novo polo regional para o segmento moveleiro” – enfatiza Rômulo Polari.

Ainda segundo a IEMI, o Brasil é o principal player da América do Sul no setor de móveis e mesmo com a pandemia notou-se crescimento no setor, mostrando ser forte e adaptável a instabilidades econômicas.

“A construção de um núcleo moveleiro será muito importante na construção da marca da Paraíba no cenário nacional, mas os maiores ganhos serão gerados pela sinergia entre os fabricantes locais. Isso se refletirá em ações conjuntas na comercialização de produtos, compra de matéria prima, capacitação de mão de obra, tratamento de resíduos, etc” – ressalta Adeilton Pereira, empresário e membro da Associação dos Fabricantes de Móveis e Artefatos de Madeira da Paraíba (Amap). 

 

 



 

Voltar